“Crime e castigo” e o cinema

Zbrodnia i Kara
Há algumas coisas que eu não falei no meu post sobre Crime e Castigo, por falta de tempo e porque achei que ficariam melhor em uma entrada à parte. Demorei um bocado para escrever, mas aqui estão.
Crime e Castigo e o cinema
Crime e castigo é um livro muito interessante para ser transposto ao cinema, apesar da dificuldade. Não é nada fácil transpor para o cinema pensamentos e reflexões de um personagem, uma vez que descrições e falas podem tornar um filme muito cansativo. O perfil de Raskólnikov é muito rico: perturbações, mudanças de estado, personagem rico em descrições, ações e pensamentos. Enfim, é uma personagem muito atraente para um ator trabalhar.
As descrições contidas no livro sobre ambiente, clima, locais são vastas e facilitam muito a concepção de um cenário. Muitas vezes isso pode não ser um aspecto positivo para o diretor de arte, mas a idéia é um filme de época, todas as indicações ajudam. E mais: como todas as locações já existiram e muitas delas ainda estão no mesmo local a conecepção cenográfica pode ser ainda mais rica em detalhes.
Quase todos os personagens são descritos em detalhes: suas expressões, o que pensam como agem, suas falas, tudo visa a descrevê-los e enriquecer seus perfis, mesmo que quase manequístas alguns. Aí há um problema e um fator positivo: mais detalhes para o trabalho do ator e o problema da idealização da personagem. Lembro de ter lido alguns livros e visto o filme: a imagem da personagem não era a mesmo do livro. Ou não era loira, ou era mais baixa, ou mais magro, e pode parecer algo tolo, mas para quem vai ao cinema assistir a um filme que tenta ser fiel ao livro isso influencia bastante, que o diga O Senhor do Anéis.
Para a direção um filme baseado em um obra famosa é sempre um desafio: ser inovador, agradar aos leitores, seguir seu estilo e fazer um clássico, um filme que irá ser referência para milhões. Lembro de poucas adaptações que foram bem sucedidas, mas dessas eu lembro como grandes filmes. E quando eu digo bem sucedida não é ser fiel do começo ao fim do livro e sim captar sua essência, o perfil das personagens, as cenas principais e a idéia central do livro.
A direção de fotografia é sempre um capítulo à parte e o que me leva a ver um filme muitas vezes. A visão de Raskólnikov sobre Petesburgo durante seus delírios é um prato cheio para a imaginação: trabalhos de luz, distorção, efeitos ou criar um clima de época com pequenas nuances entre quem vê a cena. Isso sem falar no trabalho de angulações, enquadramentos, construção das seqüência e enlace entre os planos. Confesso que delirei imaginando isso, mas nunca vi um único longa sobre o livro.
Há dezenas de adpatações sobre Crime e castigo para o cinema, dos mais diferentes países e épocas, como me disse o IMDB. Entretanto a única adaptação que vi foi uma animação, quase um média metragem, chamado Zbrodnia i Kara (crime e castigo em polonês). A animação é maravilhosa e consegue condensar bem as idéias principais do livro. É uma pena que tenha visto a tanto tempo atrás (quase quatro anos) e não haja uma versão on-line para exibição, pois vale à pena ver.
São Petesburgo
Ainda sobre Crime e castigo, a cidade em que se passa o romance completou 300 anos em 2003 e tem em sua homenagem um site da Biblioteca Nacional da Rússia com várias fotos, mapas e ilustrações da cidade e que foi aliás tema de um post anterior aqui. Um dia eu pretendo visitar a cidade, não só pelo romance, mas pela riqueza cultural e histórica dela e, claro, porque eu adoraria visitar o Hermitage.

Related Posts with Thumbnails
This entry was posted in cinema, culture, literature and tagged , , . Bookmark the permalink.

5 Responses to “Crime e castigo” e o cinema

  1. carol says:

    tem um filme russo que se passa todo no hermitage, “arca russa”, vc viu?

  2. Gesiel says:

    Concordo com vc quando diz que uma história tão rica em emoções e cheia de particularidades não caberia em duas horas de película…
    Deveria ser pelo menos uma mini-série.

  3. Bibi says:

    Eu vi sim Carol. Do Sukurov 🙂
    Eu vi duas vezes porque da primeira eu dormir várias vezes (fim de Mostra).
    Eu disse Gesiel? Vixe, agora não sei mais o que eu digo (isso é que dá escrever de madrugada). Ah cabe em umas 3 sim. Síntese, mas eu sou péssima nisso.

  4. Jully says:

    É importante, antes de ler Dostoiévski, ler também Freud, porque a partir daí pode-se observar a genialidade do autor, claramente demonstrada em Crime e Castigo, ao antecipar muitas coisas que viriam a ser inseridas com a psicanálise. O livro se demonstra mais denso ainda, e muito mais apaixonante.

  5. toninho says:

    Já li duas vezes o livro e gostei de seus comentários. Você conhece uma versão desse livro com Ben Kinsley(de Gandhi). Se souber me dizer algo sobre esse filme, escreva-me, por favor.

Comments are closed.