Camille Claudel

Passeando pelo Google Image Search redescobri uma escultora maravilhosa, Camille Claudel. As esculturas dela são belíssimas, com muita força nas linhas, nas expressões e nas mãos esculpidas nas imagens trabalhadas. Todo o corpo das pessoas esculpidas gera um sensação de tensão, angústia ou sofrimento, refletindo a vida e a personalidade da artista. Suas esculturas parecem saídas de sonhos e pesadelos, retratados com intensidade, energia e movimento.
Camille Claudel
A minha paixão por esculturas é sempre incompleta uma vez que elas me fazem desejar que as toque, mas não posso tocá-las. Mais de uma vez saí frustrada de exposições em que vi esculturas maravilhosas, mas as quais não podia tocar, e eu me perguntando: por que eu não posso tocar na escultura? Eu preciso tocar para sentir toda a força da escultura. Digamos que eu me empolgo um pouco, fica só no pensamento e de nada adianta. Como boa parte das esculturas de Camille está em museus franceses, uma das únicas soluções para o meu caso é admirar as obras através de alguns sites. Passei por alguns e abaixo listo aqueles com mais imagens das esculturas, que é o que interessa mais para mim:
Camille Claudel
Some Camille Claudel at the Orsay
Camille Claudel Online
Some Beautiful (If Tortured) Works of Camille Claudel
Camille Claudel Sakountala
A primeira vez que ouvi falar em Camille Claudel foi no filme de nome homônimo Camille Claudel quando fui assistir no Cinesesc, isso antes da reforma, ou seja em tempos imemoriais! Como boa parte dos filmes franceses a fotografia é maravilhosa e reconstituição de época é perfeita e as atuações nesse caso são um show a parte. Isabelle Adjani, perfeita no papel, recria uma Camille cheia de vida, com emoções conturbadas e passional. O filme tenta transmitir toda a impulsividade e loucura presentes na vida de Camille e nos momentos em passou ao lado do amante, Rodin, com Gérard Depardieu no papel.
Nunca houve uma Camille tão linda quanto Adjani que rouba a cena em todos os momentos, fazendo Rodin no filme um mero detalhe. Aproveitei também para comparar os trabalhos de Rodin e Camille: minha conclusão é que os trabalhos dela são muito mais ricos e vida, movimento e energia do que os de Rodin, mas ele é que era o escultor famoso, conhecido e ela não passou de uma mera aprendiz por um longo tempo. Seu trabalho demorou muito tempo para ser realmente reconhecido e admirado, mais uma das grandes injustiças da história da arte.
Outro trabalho com personagem feminino forte que Adjani trabalha é em A história de Adèle H. que narra a história da vida de Adèle Hugo, filha de Victor Hugo. Adèle foi outra jovem com uma vida conturbada apaixonada pelo homem errada. A minha conclusão é que os culpados da insanidade das mulheres são os homens! Claro que não é isso, mas achei que a consideração no mínimo era curiosa. Sou um tanto suspeita para falar desse filme uma vez que é dirigido por um de meus diretores favoritos, François Truffaut e mais uma vez Adjani envolve o espectador. Os dois filmes trabalham os temas amor-negação e a loucura, mas em Camille há mais paixão expressa através das cenas da escultora trabalhando. Já Adèle é um filme mais denso, lento, onde a loucura vai aos poucos dominando a personagem. Qualquer um dos dois vale uma ida à locadora.
La valse

Related Posts with Thumbnails
This entry was posted in art, cinema and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

5 Responses to Camille Claudel

  1. Ana says:

    Nem sei como cheguei aqui, linkando, linkando.
    Também aprecio – e muito – o trabalho de Camille Claudel. Também adorei o filme. Também considero um absurdo o público não poder tocar uma escultura.
    Te mando um link de um poema meu recém publicado (anteontem) no site de um amigo, ilustrado por uma foto minha ao lado de uma escultura dita do Rodin (no seu museu, em Paris) mas confessada em off ser de sua aprendiz e amante, que certamente enlouqueceu por não ter sido reconhecida oficialmente mulher e autora.

  2. Kiki says:

    Estive na exposição que teve no museu da pampulha em BH/MG há uns anos e fiquei apaixonada pelo trabalho de camille

  3. Ludmila Maria Mendes says:

    Fiquei simplesmente impressionada, quando estive em uma exposição das obras de Camille Claudel, realizada a alguns anos no museu de arte da pampulha, em belo horizonte. A força dos sentimentos desta artista se fazem tão presentes em seus trabalhos. E uma pena não ter tido ainda, a oportunidade de rever suas obras.

  4. Jaldene says:

    Oi, tem uma exposição de trabalhos da artista aqui em Palmas, aberta hoje, 24 de março de 2006. Vem ver!

  5. felipe says:

    tem uma resenha do filme camille claudel nao? to precisando… hee…

Comments are closed.